As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Guerra pela água?

Imagine uma região metropolitana com VINTE MILHÕES de habitantes. Imagine que essa população dependa de reservas superficiais de água nas chamadas represas. Imagine, agora, uma seca prolongada com a drástica redução dessas reservas de água. Pois é, não é imaginação, é a situação vivida pela região metropolitana da cidade de São Paulo neste ano de 2014.
Desde o final da década de 1960 que são feitos alertas em relação à escassez de recursos. Documentários realistas e filmes de ficção já foram rodados sobre o assunto. Os documentários abordam várias situações de contaminação da água e escassez. Os filmes de ficção ilustram a luta pela água e/ou fontes de energia. 
Um recorde de baixa pluviosidade, sempre aliado às situações governamentais onde tal "pensamento" é impensável, conduz São Paulo a uma situação crítica. Agora mesmo, centenas de tambores e caixas d'água estão sendo compradas por cidadãos que querem estocar o líquido. Essa estocagem eleva o consumo e ajuda a complicar a situação. E sabe-se lá como será feito esse estoque: contaminação, proliferação de mosquitos... e tal e coisa.
O pior de tudo é que, se chover o que é necessário para se retornar à normalidade, outros problemas surgirão: inundações, rompimento de barragens, deslizamentos de terra, desabrigados, doenças como leptospirose...
O cenário é terrível e os prognósticos não são nem um pouco favoráveis, infelizmente. Resta torcer para as coisas se normalizarem a médio prazo e que tal fato sirva de lição para os governos procurarem as alternativas viáveis de manutenção da disponibilidade de água e outros recursos.

Ramon Lamar de Oliveira Junior

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Não foi a derrota que doeu, foi o placar.

A primeira Copa que assisti - pelo menos alguns trechos de jogos (pois era menino de 7 anos e com essa idade era difícil ficar parado em frente a uma TV) - foi a de 1970. Lembro da final, do foguetório, de uns enfeites que colocavam nas antenas dos carros (parecendo uma laranja). Depois foi muito tempo até ver a nossa seleção campeã de novo. 
De 1970 para cá foram mais decepções do que sucessos nos gramados. Tivemos momentos dramáticos, em especial em 1982 na Espanha. Sem contar o "apagão" do Ronaldo em 1998, na França (juro que assisti o jogo alguns anos depois e o Ronaldo não pareceu tão apagado assim... o apagão foi do time todo, algo como agora). E a tal medalha de ouro olímpica do futebol?
Em diversas Copas fomos eliminados, ficamos tristes, alguns sempre aparecem com o "eu já sabia" e o "era isso que eu queria". Sempre foi assim... sempre será.
Mas dessa vez foi diferente. A derrota já estava anunciada naquele jogo fraco contra o México e nos pênaltis contra o Chile. Quem não quis ver não viu. O treinador-gênio já estava a beira de ser chamado de treinador-burro. As estatísticas de vitórias estavam prestes a se virar contra nós. E viraram. Fomos eliminados pelo único time que já jogou mais jogos de Copa do Mundo do que nós, com o qual absurdamente só havíamos jogado uma única vez... vencendo-os na final de 2002, a Copa do Penta.
A derrota entristeceu a todos, mas teria sido diferente se fosse um 2 x 1 ou um 3 x 2... ou muito menos mal numa disputa de pênaltis. O problema foram os 7 x 1. Acachapante!!! (Discordo de quem diz que foi humilhante... a Alemanha teve chances reais sim de nos humilhar, poderia ter imposto um placar muito mais elástico, dado olé, embaixadinhas. Aliviaram. Souberam ganhar.) Cinco gols em 20 minutos. Parecia que estavam passando o replay dos gols. Difícil esquecer dessa, vai marcar toda a história futebolística do país por um bom tempo. Teremos como nos recuperar na próxima Copa América, nas eliminatórias de 2018 ou na própria Rússia 2018? Será com essa geração, com 50% desses jogadores? Com qual técnico? Ainda usaremos passar sal grosso no vestiário ou nas traves?
Tempos difíceis pela frente. Lições amargas que devemos aprender. Lições que servem não só para o futebol. 

Ramon Lamar de Oliveira Junior

PS.: E vamos parar de politizar essa história de futebol, olimpíadas, Fórmula 1 e outras coisas do gênero. Cobrar um Brasil melhor é obrigação sempre, não é para ser esquecido quando se ganha e nem para ser lembrado na derrota. Esse é um problema de urna, escolhas e cidadania. Esse é um problema de todo dia.